#DioAprova

Diovest será promovido durante toda a 1ª semana de julho

segunda, 03 de julho de 2017 às 07h:16

O último DIOVEST do semestre será promovido de segunda (3) a sábado (8) da próxima semana. O Diovest é uma iniciativa que visa proporcionar aulas de revisão para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O encontro acontecerá de maneira dinâmica na sala de eventos do Colégio, das 8h às 11h40 da manhã, para os alunos da 3ª série. 

A atividade trabalha conteúdos com resolução de questões semelhantes as abordadas no do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O Diovest é voltado prioritariamente aos alunos da 3ª série, mas podem participar também, os estudantes da 2ª série com interesse em começar a sua preparação para o Enem. Além disso, o Diovest recebe estudantes do Ensino Noturno do Diocesano (Enod) e da Escola Santo Afonso.

“Essa semana de revisão é uma forma de aprofundar alguns assuntos que foram estudados no primeiro semestre. Estaremos reunidos para fazer novas questões e tirar dúvidas sobre os temas que são mais cobrados nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio”, afirma o coordenador da 3ª série do Ensino Médio, professor Aíllton Cerqueira.

Cronograma

Segunda-feira, 3.

8h-9h40 – Química (Jonjon)

10h-11h40 – Física (Franklin)

Terça-feira, 4.

8h-9h40 – Literatura (Jorge Alberto)

10h-11h40 – História (Carlos Félix)

Quarta-feira, 5.

8h-9h40 – Filosofia/Sociologia (Alexandro)

10h-11h40 – Biologia (Nélson)

Quinta-feira, 6.

8h-9h40 – Geografia (Iolando)

10h-11h40 – Matemática (Diego)

Sexta-feira, 7.

8h-8h50 – História (Carlos Félix)

8h50-9h40 – SOE (Lília)

10h-11h40 – Português (Aílton)

Sábado, 8.

8h-9h40 – Matemática (Diego)

10h-11h40 – Química (Jankelson)



Diocesano firma parceria com o AppProva para alunos do Ensino Médio

quarta, 03 de maio de 2017 às 08h:53

Com o objetivo de contribuir com a preparação dos alunos para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), o Colégio Diocesano firmou parceria com o AppProva, plataforma online que disponibiliza simulados e exercícios voltados para o Enem. Por meio do aplicativo, os alunos da 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio terão acesso a exercícios e simulados formatados de acordo com o exame.

Segundo o coordenador da 3ª série do Ensino Médio, professor Aílton Cerqueira, o aplicativo aplica a metodologia TRI, que é utilizada pelo ENEM, o que proporciona aos alunos uma capacitação mais satisfatória para a realização do exame. “São simulados online e presenciais que serão corrigidos com base na TRI, o que vai gerar um treinamento ainda mais completo”, explica.

Cadastre-se para ter acesso à plataforma.

Além de simulados e exercícios, o aplicativo disponibiliza jogos interativos que dinamizam a experiência do aprendizado. O coordenador ressalta que é importante aliar tecnologia e ensino. “O AppProva está adequado à era contemporânea e une a tecnologia ao ensino de forma útil e os alunos estudam de forma divertida”, explica.

Bárbara Borges, estudante da 3ª série B do Ensino Médio, relata que o aplicativo é prático e proporciona uma visão efetiva dos vestibulares. “Você estuda como se fosse um jogo e tem uma noção real das notas. Possibilita a visão de como será o desempenho ao realizar o exame”, conta.

Os simulados e atividades estão disponíveis no site do aplicativo, appprova.com.br. Para o primeiro acesso os estudantes devem informar o colégio e número de matrícula para concluir o cadastro.

Fonte: Ascom Diocesano



Veja dicas para ter um bom resultado no Enem

terça, 21 de fevereiro de 2017 às 10h:32

O melhor resultado que um estudante pode obter no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a combinação de boas notas e a vaga no curso desejado. Foi o que aconteceu com o ex-aluno do Colégio Diocesano, Herus Teixeira, que conquistou 920 pontos na prova de redação e passou em primeiro lugar para o curso de Física, na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Na entrevista, o estudante relata como conseguiu alcançar sua meta.

Estudante se orgulha do desempenho no Enem

  • Como foi sua preparação para a prova?

Todas as questões que os professores mandavam eu respondia. No primeiro semestre peguei um ritmo bem intenso e no segundo eu já estava bem cansado e não consegui manter a mesma energia. Então, eu acho que é melhor inverter: ficar mais tranquilo no primeiro semestre e no segundo engatar com mais força.

  • Como você conciliou as outras atividades da sua rotina com os estudos para o Enem?

Eu deixei de fazer muita coisa para focar no Enem. Eu fazia curso de Inglês e no segundo semestre até deixei de ir, parei de malhar também. Não tinha mais tempo para outras atividades e fiquei só estudando mesmo.

  • Você usou alguma técnica de estudo?

Na verdade, não. A única coisa que eu sempre fazia era estudar com o computador ligado. Porque eu ficava resolvendo questões e quando eu esquecia de algum assunto pegava um resumo na internet para ajudar a lembrar. Mas nada de rever tudo de novo, era só pra forçar minha mente a recordar o que eu já tinha estudado antes.

  • Durante quanto tempo você se preparou para o Enem?

Com foco no Enem, foi na terceira série do Ensino Médio.

  • Como você avalia seu desempenho na prova?

Foi bom, apesar de ter gente dizendo que foi maravilhoso. Eu não considero que foi isso tudo não, mas estou orgulhoso do meu desempenho.

  • Que dicas você dá para quem vai prestar o Enem em 2017?

Confiar em si mesmo, resolver questões e focar, traçar um objetivo para alcançar.

  • Como o DIOVEST e os simulados contribuíram nesse processo?

Ajudaram bastante! Eu adorava frequentar o DIOVEST, apesar de ser aos domingos eu vinha empolgado. É uma aula diferenciada. Também aprendi a organizar meu tempo na terceira série, porque eu não conseguia fazer os simulados todos. Então todo esse preparatório especial que tivemos no último ano foi de extrema importância.



Conheça as técnicas da estudante Laíne Saiki, que alcançou 920 pontos na redação

segunda, 13 de fevereiro de 2017 às 12h:18

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é um grande desafio para os concluintes do Ensino Médio. É uma única prova que dá direito a concorrer a centenas de vagas em universidades e faculdades por todo o país. O site do Colégio Diocesano conversou com a ex-aluna Laíne Saiki, que concluiu o Ensino Médio em 2016 e alcançou 920 pontos na redação. Laíne falou sobre suas técnicas de estudo e deu dicas para quem vai fazer o Enem em 2017.

Laíne se preparou para o Enem por cerca de um ano e meio

  • Como foi sua preparação para a prova?

Sempre li muito, desde a infância meus pais sempre me estimularam a esse gosto pela informação. Assistir aos jornais todo dia é sagrado. Sempre procuro me manter apta a discutir sobre qualquer que seja o assunto. Em geral, a leitura contínua e a resolução de problemas acerca dos assuntos abordados no Enem, de acordo com cada competência e habilidade, foi o que mais me ajudou nessa longa caminhada.

  • Como você conciliou as outras atividades da sua rotina com os estudos para o Enem?

Eu dividia meu tempo muito bem. Estudava durante o dia, mas nada de passar madrugadas em claro. Quando o jornal começava, era hora de parar, então eu assistia para ficar por dentro das atualidades e depois ia passar um tempo com minha família até o horário de ir dormir. Aliás, uma boa noite de sono é muito importante nesse período, relaxa a mente e nos prepara para a jornada do outro dia. Final de semana era bem complicado, porque quase não existia descanso. Praticamente todo sábado e domingo tinha aula ou prova, então eu decidi que no horário oposto às minhas atividades na escola, no fim de semana, eu me distrairia. Conversava com amigos, saia com a família e tentava não pensar no tempo de estudo que “supostamente” estaria perdendo.

  • Quanto tempo você se preparou com foco no Enem?

Um ano e meio, mais ou menos. No 1º ano do ensino médio tudo ainda é muito novo, e a gente fica meio deslumbrado. Acho que na metade do 2º ano foi quando eu realmente foquei e estudei exclusivamente para o Enem, revisando os conteúdos mais importantes. O que me ajudou bastante, foi que sempre fui acostumada a trabalhar com esquemas, então quando chegou a hora de rever tudo, fui só tirando da gaveta os resumos dos anos anteriores e refrescando na memória sem muito estresse.

  • Quais suas maiores dificuldades na hora de estudar?

Minha maior dificuldade sempre foi com números. Gosto muito de discussões e debates, e nas exatas eu não encontrava esse "brilho", achava muito monótono seguir sempre aqueles mesmos passos e achar uma resposta só. E isso refletia muito no meu momento de estudo, porque não conseguia passar muito tempo concentrada em um só problema, acabava ficando muito dispersa. Então, percebi que passar muito tempo sentada estudando um só tema nem sempre dá proveito, por isso criei uma técnica. Resolvi separar 50 minutos para cada assunto. Tirava 10 minutos para beber água, comer algo, ir ao banheiro, e voltava para o outro tempo de 50 minutos com um assunto diferente (dentro da mesma área) e isso me ajudou a não desgastar tanto a mente e o corpo.

  • Qual curso você quer? Já tem uma universidade em mente?

Quero cursar Direito. Desde os 12 anos sonho em ser juíza federal. O foco é a Universidade Federal do Piauí.

  • O que te encanta no Direito?

A capacidade de cessar as desigualdades, o fato de todos, independentemente do status social, terem de se submeter às mesmas regras e, principalmente, a vontade de ser justa em todas as situações.

  • E que dicas você dá para quem vai prestar o Enem em 2017?

Que dê o máximo do seu empenho e confie em si mesmo, porque o Enem só é o reflexo de uma vida inteira de estudos. Calma, concentração e paciência na hora do exame são fundamentais para a obter êxito nas provas.



Alunos recebem orientações sobre o ENEM

segunda, 06 de fevereiro de 2017 às 09h:25

O educador Mateus Prado, considerado o maior especialista no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do país está em Teresina ministrando a palestra “Desvendando o ENEM” para alunos da 3ª série do Ensino Médio, pais e professores do Colégio Diocesano e Escola Santo Afonso Rodriguez (ESAR). Mateus discute sobre a estrutura do exame, estratégia de prova e como elaborar plano de estudo individualizado e personalizado.

Segundo Mateus a principal dificuldade dos alunos hoje é não retomar os assuntos estudados anteriormente. “Quando você estuda um conteúdo e não faz revisão durante um longo período você esquece, porque não aprendeu de fato”. O educador afirma que a melhor maneira de fixar conteúdo é exercitando constantemente, nunca começar um novo assunto deixando de exercitar o anterior.

Criar um plano de estudo, traçar metas e objetivos é fundamental para o estudante em qualquer fase da vida. Mateus ressalta que uma boa estratégia para o vestibular é individualizar o plano de estudo, porque cada pessoa possui um ritmo de aprendizado diferente, que requer determinada organização de tempo e administração do volume de conteúdo.

Para o aluno Aécio Fernando Rufino Filho, da 3ª série do Ensino Médio do Diocesano, as dicas são valiosas e irão ajudar na realização da prova. O aluno conhece bem o sistema de avaliação do ENEM, este ano vai fazer a prova pela terceira vez e pretende se preparar bastante. “Vou refazer as provas anteriores do ENEM, percebendo meus erros e me manter atualizado para fazer uma boa redação ”, ressalta.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi aplicado pela primeira vez em 1998, com o objetivo de avaliar o desempenho dos estudantes, tendo em vista o melhoramento da qualidade do ensino no Brasil. O formato da prova foi evoluindo gradativamente e passando a considerar a multidisciplinaridade como ferramenta básica para medir o conhecimento dos alunos. A partir de 2009 as instituições de ensino superior públicas começaram a usar a nota do Enem para seleção em seus cursos.

Atualmente o ENEM é a principal forma de ingresso em universidades públicas no Brasil, possibilitando também a concessão de bolsas de estudo em instituições de ensino privadas por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni). De acordo com a estrutura do exame, em dois dias de prova, os estudantes devem fazer 180 questões de Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Linguagens, Matemática e uma redação.

Confira fotos



Estudante que alcançou 960 pontos na redação dá dicas a quem vai fazer o Enem em 2017

quinta, 02 de fevereiro de 2017 às 07h:38

Chiara Ferreira usou diversas técnicas de estudo para conseguir o bom resultado

Os bons resultados dos alunos do Colégio Diocesano no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são comprovados com as aprovações em diversas faculdades e universidades. Chiara Ferreira concluiu o Ensino Médio em 2016, alcançou 960 pontos na redação, e foi aprovada para o curso de Letras/Inglês na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Confira a entrevista da aluna ao site do Colégio Diocesano!

  • Como você se preparou para o exame?

Quando estudava sempre pedia ajuda aos amigos com a área de natureza e matemática. O que estudei mais foi a área de humanas e de linguagem. A equipe de professores do Diocesano da terceira série foi maravilhosa, sempre nos davam dicas, falavam sobre o que ocorria no Brasil e no mundo e nos apoiavam. Para a redação, sempre gostei de ler e escrever, e desde o segundo ano passei a me dedicar ainda mais a isso. Pensei em fazer um curso de redação, mas meus pais diziam que não precisava, pois a equipe do Diocesano é boa. E realmente é. O que me ajudou também foi ver vídeos no canal da Débora Aladim, no YouTube, em que ela falava como fazer uma boa redação.

  • Como você conciliou as outras atividades da sua rotina com os estudos para o Enem?

É complicado, mas ficar só em casa estudando enlouquece a pessoa, por isso, de vez em quando, saía para o cinema ou casa de uma amiga, para relaxar. Mas não pode se exceder nas saídas, afinal abdicar de algumas (não de todas) vai trazer um bom resultado. E tem a questão do sono, saber organizar o sono é importante, pois estar enfadado não vai render estudo. Para não se cansar de estudar em casa, é bom sempre sentar na frente e prestar atenção nas aulas.

  • Quanto tempo você se preparou com foco no ENEM?

É sempre bom se preparar desde o início, porém comecei a focar mais depois das férias de julho.

  • E que dicas você dá para quem vai prestar o Enem em 2017?

Se organizar quando for estudar, saber dar foco a todas as matérias. Dormir bem, que é importante. Se alimentar bem e, se possível, fazer exercícios físicos e mentais.



Alunos do Diocesano se destacam nas notas do Enem

quinta, 26 de janeiro de 2017 às 10h:22

Acabou a primeira etapa de ansiedade! Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram divulgados trazendo alívio aos alunos que concluíram o Ensino Médio no Colégio Diocesano, em 2016. É o caso da Myrna Beatriz de Melo Oliveira, que alcançou 980 pontos na dissertação e 750,8 na média geral. Ela afirma que começou a estudar para o Exame no início do período letivo de 2016. 

“Busquei fazer o máximo de questões possíveis, já que os professores sempre disseram o quanto a prática era importante. Além disso, eu tentava focar mais no estudo das matérias que tem maior peso no curso que eu almejo”, conta a estudante, que pretende cursar Medicina. Para a redação, além de treinar bastante, Myrna adotou a técnica de mostrar o mesmo texto para vários professores, para saber o máximo de aspectos possíveis em que ela poderia melhorar para aprimorar seus escritos. Assim como ela, o estudante João Pedro Dias também obteve 980 pontos na redação.

João Pedro Dias e Myrna Melo alcançaram 980 pontos na redação

As médias nacionais dos participantes do Enem 2016 subiram nas áreas de Linguagens e Matemática e caíram em Ciências Humanas e Ciências da Natureza, comparando com os anos anteriores. A quantidade de redações com a nota máxima também diminuiu, de 104 em 2015, para 77 em 2016, em um universo de 6,1 milhões de candidatos. Em Linguagens e Códigos, a média nacional foi 520,5 pontos. Em Matemática, 489,5. Já em Ciências da Natureza a média foi 477,1 e Ciência Humanas, 533,5 pontos.

De acordo com o coordenador pedagógico da 3ª série do Ensino Médio do Colégio Diocesano, Aílton Cerqueira, são excelentes as notas de Redação acima de 900 pontos, já que o máximo que se pode obter nessa prova é 1000. Por conta do método usado para calcular o desempenho nas outras áreas do conhecimento – Teoria da Resposta ao Item (TRI) – a redação é a única matéria em que é possível tirar 0, mas inviabiliza a concorrência em qualquer Instituição de Ensino Superior. No Diocesano,muitos alunos conseguiram mais de 900 pontos na redação.

Laíne Saiki, Iluska Guimarães e Herus Teixeira

O aluno Renan Alexandre dos Anjos pretende cursar Engenharia Civil e conquistou 960 pontos na prova dissertativa. Mas ele teve de enfrentar seus próprios limites para atingir o resultado. Segundo o estudante, sua maior dificuldade sempre foi nas disciplinas relacionadas a Linguagens, justamente a base para um bom texto. “Esse foi um dos principais motivadores para ter intensificado meus estudos na área, pois sabia da importância de se obter uma boa nota na redação”, afirma.

A estudante Laíne Saiki obteve 920 pontos na dissertação. Ela conta que ainda em 2016, antes de concluir a 3ª série, foi aprovada para cursar Relações Internacionais, na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Mas o que ela quer mesmo é uma vaga no curso de Direito da Universidade Federal do Piauí (UFPI). “Quero cursar Direito desde os 12 anos, sonho em ser juíza federal”, conta. A preparação para o Exame acontece há mais ou menos um ano e meio. “Na 1ª série do Ensino Médio tudo ainda é muito novo, e a gente fica meio deslumbrado. Acho que na metade da 2ª série foi quando realmente foquei e estudei exclusivamente para o Enem, revisando conteúdos mais importantes”, lembra a estudante.

Carlos Henrique Franco, Fernanda Monteiro, Renan Alexandre e Mateus Henrique Moura

Além de leitura e resolução de problemas sobre os temas abordados no Enem, de acordo com cada competência e habilidade exigida pela prova, Laíne prezou por se manter bem informada. “Procuro sempre me manter apta a discutir sobre qualquer que seja o assunto”, diz, enfatizando que assistir jornal faz parte de sua rotina diária. A estudante revela que prefere os debates aos números e por isso criou uma técnica para lidar com a dificuldade na hora de estudar. Ao invés de passar muito tempo estudando um só assunto, ela determinava um período para estudar um tema, fazia um pequeno e intervalo, e voltava a estudar outro tema, pelo mesmo período de tempo, dentro da mesma área de conhecimento. “Isso me ajudou a não desgastar tanto a mente e o corpo”, ressalta.

Já a estudante Iluska Guimarães,que também conquistou a nota 920 na redação e ficou com uma média geral de 720 pontos, pretende cursar Medicina em alguma das universidades públicas do Piauí. Ela conta que a decisão pelo curso foi reforçada pela intensa dedicação em aprender os conteúdos de Química, que para ela eram os mais difíceis. “Tanto tempo dedicados a Química e gosto pela Biologia me fizeram querer ainda mais essa profissão, que já adorava por outros motivos”, explica. Para ela, o segredo do Enem é praticar. “A teoria é essencial, mas procurar responder diariamente o maior número de questões possíveis é muito importante. Além de procurar suporte no que você tem deficiência”, destaca a aluna.

Bom resultado também em Matemática

Mas o destaque também foi em Matemática. O aluno Luís Felipe Rosal alcançou 914,6 pontos na prova. Além dele, Jorge Felipe da Silva Bastos fez 900, José Victor Cruz obteve 899,4 e Carlos Henrique Franco conseguiu 887,3 pontos na disciplina. Este último também conquistou 960 pontos na redação, assim como Mateus Henrique de Moura Lima e Fernanda Monteiro. João Pedro Bandeira, Rebecca Lima, Herus Teixeira e Izabella Karyne Lima Cardeal também foram contemplados com 920 pontos na dissertação.

Izabella Karyne, João Pedro Bandeira e Rebecca Lima

Além de simulados no estilo do Enem, o Colégio Diocesano oferece a seus alunos o DIOVEST, preparatório para vestibulares, que acontece aos domingos. “Sem dúvida alguma, são iniciativas que contribuem muito para nossa formação acadêmica”, avalia Renan. “A minha preparação para o Enem foi através das aulas na escola e do auxílio dos professores, das aulas aos domingos no DIOVEST, e também com muito estudo em casa”, comenta Myrna. Segundo Iluska, os projetos contribuíram durante sua preparação. “Eu pude aproveitar o que os dois podiam oferecer. Qualquer forma de revisão e treino é válida”, ressalta.

José Victor Cruz, Luís Felipe Rosal e Jorge Felipe Bastos



⟪ Anterior

Próxima ⟫